Consulta Nutricional

Consulta: 3º passo do Atendimento Nutricional

Série Passo a Passo de um atendimento Nutricional de Excelência:

Passo 3 – A Consulta

Você sabe como conduzir uma consulta de nutrição? O que fazer desde o momento que o paciente senta na cadeira do consultório até o momento que se despede?

Nesta série de post do Passo a Passo para um Atendimento Nutricional de Excelência eu já compartilhei com você o primeiro e o segundo passo. No primeiro falei sobre questionário pré-consulta. No segundo abordamos o tema “como se preparar para a consulta“. Caso ainda não tenha lido a ambos, recomendo começar por eles.  e neste post eu vou te contar como conduzir uma consulta de nutrição!

Lembrando que para essa fase, aqui também entra a modalidade  de atendimentos online.

 

Partes da Consulta Nutricional

A consulta é dividida em basicamente 5 partes:

  • Recepção
  • Avaliação
  • Diagnóstico
  • Prescrição
  • Finalização

Vou detalhar ao longo do texto cada uma delas.

 

1 – Recepção 

É na recepção que se inicia sua Consulta Nutricional, pois é nela que você terá a primeira conexão física com o seu paciente. Dessa forma, é ideal iniciar um diálogo que gere esse vínculo. Segue algumas sugestões:

“ – Seja bem-vindo (a)”

“ – Fique à vontade”

Olhe nos olhos, transmita segurança, tenha confiança de que você é  a melhor pessoa para atender aquele paciente. Desenvolva sua autoconfiança!

Você pode ir falando do sigilo daquele momento e prepare-se para ouvir mais do que falar.

 

2 – Avaliação 

Você pode iniciar a consulta nutricional abrindo espaço para que o paciente possa falar, escutar ativamente e  com empatia.

“ – Bom, eu vi no seu questionário pré consulta que o seu principal objetivo é (emagrecer). Conte-me mais sobre isso!”

Logo em seguida, você pode aplicar o Mapa do Atendimento com Empatia, nutricionista IAPP+ já teve acesso a esse instrumento, mas é basicamente um mapa divido em 6 esferas.

  1. O que o paciente quer, objetivo?
  2. Porque quer? Qual o nível de dor, ou seja, quanto isso está preocupando, o quando isso causa sofrimento, o quanto isso está gerando dano na sua vida do paciente (saúde, emocional, social). Aqui entra também o nível de motivação. De 0 a 10 o quão motivado o paciente está para fazer esse tratamento?
  3. O que já tentou? Porque não deu certo?
  4. Como ele está? Em que contexto o paciente se encontra?
  5. Como ele espera que você o ajude?
  6. Quais o principais limitadores para adesão?

A essa altura, essas duas últimas perguntas, você já obteve resposta lá no questionário pré-consulta, mas se ficou com dúvidas nesses dois aspectos, é importante que você aqui, ressalte novamente com o paciente.

 

Anamnese na Consulta Nutricional

Certo, e agora, o que fazer? Bom, depois você vai realizar perguntas adicionais da anamnese – eliminar perguntas do questionário pré-consulta – e conferir algo que você ficou em dúvida. Pode questionar quais são os sintomas que mais incomodam o paciente.

Cuide para aqui, não tornar a consulta mecanizada, onde o nutricionista faz inúmeras perguntas e o paciente responde.

Eu sei que na faculdade nós aprendemos a aplicar anamneses completas e complexas, a aplicar recordatório de 24 horas, prescrever planos estritamente calculados em macro e micronutrientes, mas quando vamos para a prática o cenário é diferente.

Na maioria dos casos, eu ouso te contar, menos é mais!

Cuide com anamneses enormes, completíssimas, que tornam a consulta cansativa, pouco produtiva.

Se você quer um atendimento de excelência com a entrega do Plano Alimentar e suplementação na mesma consulta, você vai precisar reduzir a sua anamnese. Pergunte somente o essencial!

Saiba que no questionário pré-consulta você consegue ter informações suficientes. Não faz sentido fazer perguntas na consulta se é possível ter essa informação com essa ferramenta.

Lembre-se que você vai precisar realizar avaliação bioquímica, avaliação antropométrica e avaliação do  consumo alimentar e precisa de tempo e tranquilidade para OUVIR mais o paciente, para depois explicar o tratamento.

 

Avaliação da Composição Corporal

Após a anamnese e do mapa da nutrição com empatia, você pode realizar a avaliação da composição corporal.

Aqui você pode utilizar o método que  estiver familiarizado (bioimpedância, perímetros, dobras cutâneas).

Na minha prática clínica, uso a bioimpedância tetrapolar, alguns perímetros onde o paciente tem maior preocupação, por exemplo: abdômen, quadril, etc.

Utilizo dobras, conforme a gordura localizada e normalmente quando o objetivo é hipertrofia, onde associo com medidas de alguns perímetros.

Mas para avaliação da composição corporal, utilizo a bioimpedância.

E se o objetivo do tratamento é estético, você pode realizar a avaliação estética nesse momento.

 

Avaliação bioquímica

Aqui você pode analisar os exames recentes quando houver e/ou solicitar os exames, quando necessários.

 

Avaliação do consumo alimentar

Essa avaliação consiste basicamente em avaliar o consumo alimentar habitual do paciente, preferencias, etc.

 

3 – Diagnóstico na Consulta

O diagnóstico nutricional trás um panorama de onde o paciente está em relação ao seu objetivo e como ele pode atingir esse resultado. Isso pode ser dado pelos resultados das avaliações, dos principais erros alimentares, alterações bioquímicas, etc.

Mas bem, aqui tem um ponto muito importante, não foque nos erros, foque no que precisa ser alterado, porque e como. Muita calma e empatia nessa hora.

 

Ferramentas para a Consulta

Você pode usar Ferramentas educacionais, quando for pertinente mas principalmente, quando perceber interesse do paciente.

Não adianta querer ficar explicando a fisiopatologia de uma doença que ele tenha, se você observa que no seu olhar e na sua linguagem verbal/corporal, que ele não está afim de escutar sobre isso.

Assim como também existem pacientes que estão abertos para aprender sobre isso.

 

Apresente sua metodologia na Consulta

Depois de ouvir, apresente a sua metodologia de atendimento e como você pretende ajudá-lo a conquistar o resultado. Neste ponto transmita segurança e profissionalismo.

A partir do diagnóstico você tem  duas opções, ou dois  caminhos a seguir.

 

  1. Finalizar a consulta e agendar um novo horário para prescrição:

“ – Bom {nome do paciente}, eu tenho aqui todos os dados para elaboração do seu plano alimentar. Eu gostaria de agendar um novo horário contigo para fazer a entrega e a explicação do plano, porém isso vai acontecer na semana que vem e até lá eu gostaria de alinhar alguns pontos contigo, entre eles, seriam as nossas metas, tudo bem para você? ”

Tenha esse diálogo com o paciente onde você finaliza a consulta. Lembrando que, se você optar pela finalização da consulta, você deverá agendar um novo horário para realizar a prescrição.

  1. O segundo caminho é seguir com a prescrição na mesma consulta.

 

Dieta na hora da consulta

Muito importante aqui, se você ainda acha que precisa de mais prática, conhecimento e segurança, eu sugiro que você comece com a opção 1 e posteriormente evolua para a  opção 2.

Eu vou te contar nutri, que por muitos anos eu segui a opção 1. Eu me sentia mais segura, achava que minha performance não ia ser a mesma se eu entregasse a dieta na hora.

E por mais que sim, eu tivesse mais trabalho em casa, porque tinha que elaborar os planos alimentares, eu me sentia mais segura e sentir-se segura é fundamental para transmitir essa energia e o paciente ter confiança que está sendo atendido pelo profissional certo.

Um parênteses…

Aqui eu já gostaria de abrir um parênteses sobre a pressão da entrega da dieta na hora.  É claro que ajuda muito sim, tanto para o paciente quanto para o nutricionista, mas não é obrigatório tá bom?

Sinceramente vejo, que nós temos que fazer aquilo que faz sentido pra gente. Se não se sente bem entregando a dieta na hora está tudo certo, entrega depois.

Só talvez, você não precise ficar horas montando um plano alimentar, pois pelo mapa da nutrição com empatia e pelo questionário pré-consulta, você pode focar nos principais aspectos que o paciente precisa mudar.

Não é necessário fazer um plano alimentar complexo e perfeito já primeira consulta. Lembro que eu, passava duas a três horas elaborando um plano alimentar que beirava quase um caso clínico e na maioria das vezes era inviável para o paciente.

Obviamente eu ficava frustrada, porque eu tinha gasto horas elaborando um plano que o paciente não tinha seguido.

Por isso se você optar por não entregar o plano alimentar na hora, para que o seu paciente não saia de mãos abadando combine de 1 a 3 metas até o próximo encontro.

Agende um novo horário com ele, onde irá conferir se o paciente seguiu as metas combinadas. Apresente o escopo do Plano Alimentar para ajustes a quatro mãos e a prescrição da suplementação.

 

4 – Prescrição na Consulta

 O que é prescrição?

A prescrição nutricional  é composta pelo plano alimentar, suplementação (quando necessário), solicitação de novos exames, orientações nutricionais ou de outros (relação de lojas, farmácias de manipulação sugestões de rotina, etc.).

Agora se você optar por realizar a prescrição na hora da consulta, você vai precisar estar bem organizada para isso.

Se você é assinante da Plataforma IAPP+ sugiro que faça o curso online Entrega da Dieta na Hora.

Estipular a estrutura do plano alimentar que mais se adapta ao paciente – quantitativo, qualitativo, ajustes nutricionais, só orientação, metas – 3 metas principais e viáveis

Para entrega da dieta na hora, normalmente opta-se pelo qualitativo, mas se quiser entregar um plano alimentar quantitativo na hora da consulta você pode utilizar um software de nutrição ou a lista de substitutos de alimentos.

No meu canal do Youtube tem um vídeo em que a nutricionista Mariane Meurer (clique aqui para assistir), que escreveu a lista de substituição  de alimentos comigo, explica o passo a passo para elaboração de um plano alimentar por equivalentes. Se você tiver um pouco de prática, é possível.

 

Conheça seus Pacientes!

É ideal também ter um banco de informações, como receitas chave, banco de formulações e solicitação de exames padrão.

Nutri tenha cuidado para que sua prescrição caiba na vida da pessoa. Tanto financeiramente quanto na dificuldade que ele tenha para implementar novos hábitos.

Conheça seu paciente para que sua proposta seja condizente com o momento que ele está vivendo. Você não precisa mudar tudo de uma vez. Pode ir evoluindo a cada consulta. Estipule uma Meta.

Esse é o ponto chave para adesão! Nem sempre o que queremos trabalhar com o paciente ele dará conta.

Eu já prescrevi planos alimentares “perfeitos”, calculados, considerando nutrição funcional, fitoterapia, nutrigenética, crononutrição, etc., mas o paciente não seguia.

Porque digo humildemente que eu não tinha empatia desenvolvida para entender o que ele “dava conta”, ou seja, o que ele conseguiria incluir na sua rotina.

Hoje, minha abordagem foi totalmente transformada e eu sei bem o que eu quero para o paciente a longo prazo, as minhas metas. Porém com ele, eu trabalho por metas menores, gradativas e viáveis.

 

5 – Finalização da Consulta

Por fim, depois da explicação do panorama do tratamento, principais metas seja influência positiva para seu paciente.

Primeiro explique que você não vai resolver tudo na primeira consulta e nem tampouco na primeira prescrição. É um processo, um tratamento!

E é fundamental que seu paciente entenda isso. É imprescindível que ele reconheça a importância do tratamento a longo prazo.

 

Sem isso aqui, nada vai adiantar!

No próximo post, eu vou te falar sobre algo que pode simplesmente eliminar todos os passos que eu falei aqui.

Sim, é possível que nada do que eu falei nesse post seja possível fazer e sabe por que?

Porque se você aplicar o que vou te ensinar, talvez não sobre tempo para esse passo a passo estruturado e está tudo bem.

Eu falarei sobre a importância da empatia nos atendimentos nutricionais, fique comigo.

Artigos relacionados