forma qupimica

Forma Química de Suplementos Minerais Prontos

Forma Química de Suplementos Minerais Prontos

Nutri, sabe como indicar suplementos? Tem segurança ao prescrever a melhor forma química dos nutrientes?

Sabe a diferença de uma formulação manipulada e uma suplementação pronta?

Calma, o motivo de tantas perguntas não é para gerar insegurança, pelo contrário, quero poder te explicar isso aqui neste texto, tudo bem?

Vem comigo.

 

Conceitos

Antes de eu te explicar, vamos alinhar alguns conceitos, para que você entenda.

O primeiro é a Forma Química.

 

Como próprio nome diz, é a forma química que o nutriente vai se apresentar. Elas são classificadas em três grandes grupos:

  • Sais Inorgânicos, como por exemplo: óxidos, carbonatos, sulfatos;
  • Sais Orgânicos, como por exemplo: lactato, gluconato, fumarato, citrato, quelados;
  • Minerais Quelatos, como por exemplo:  magnésio glicina, zinco quelado.

E para completar o raciocínio a seguir, outro conceito muito importante para você saber é a Biodisponibilidades dos Nutrientes.

Esse termo foi estabelecido, primeiramente, nos Estados Unidos pela entidade Food and Drug Administration (FDA) como uma maneira de entender e identificar a proporção em que determinada substância ativa era absorvida e tornava-se disponível no sítio de ação do órgão-alvo. 

Ou seja, quanto maior a biodisponibilidade, melhor a absorção pelo organismo. 

Essa taxa de biodisponibilidade pode ser estabelecida e está relacionada diretamente com a forma química da substância, quantidade e administração.

Isso quer dizer que formas químicas como sais inorgânicos possuem menor biodisponibilidade, enquanto sais orgânicos e minerais quelados possuem maior biodisponibilidade.

Sabendo disso, é muito comum encontrarmos em prateleiras de farmácias ou mercados suplementos que apresentam formas químicas inorgânicas, como óxido, sulfato, ou seja, menos biodisponíveis. 

E aqui vou te ensinar a interpretar os rótulos dos suplementos prontos para que saiba quais as melhores formas químicas que devem ser indicadas para seus pacientes, fornecendo segurança e eficácia ao tratamento nutricional.

 

Menor custo e menor volume

Sulfato ferroso, carbonato de cálcio, óxido de zinco e cloreto de magnésio, são alguns exemplos de suplementos vendidos na forma inorgânica. 

Além desses, muitos outros suplementos prontos que são vendidos nessa forma e isso implica não só no menor custo, mas também, conferem menor massa aos nutrientes. É desta maneira que as indústrias conseguem colocar o máximo de nutrientes em um único excipiente.

O grande problema disso é que a eficácia do tratamento fica comprometida, pois vimos até aqui que formas inorgânicas, são pouco biodisponíveis. 

Inclusive, estudos mostram que essas formas químicas ao serem administradas possuíram, em muitas vezes, um efeito placebo no organismo, levando em conta a pouca absorção.



Mas como saber a forma química de um suplemento pronto?

Analisando a lista de ingredientes!

Se ao fazer essa análise, avaliar que os ingredientes estão nas formas de óxidos, carbonatos, sulfatos, quer dizer que a forma química é inorgânica e a biodisponibilidade dos nutrientes que estão nesta forma é baixa.

Eu sei que você pode estar se perguntando: será que para ter minerais com alta biodisponibilidade precisa somente ser manipulados?

A resposta é não, no mercado de suplementos já é possível encontrar alguns suplementos prontos que possuem uma forma mais biodisponível.

Mas é importante saber a prescrição manipulada até para fim de comparação de valores e disponibilidade de investimento por parte do paciente. 

Esse é um ponto muito importante, uma vez nutrientes com alta biodisponibilidade podem tem um custo mais elevado e maior volume, por isso é imprescindível acordar junto ao paciente, a necessidade da suplementação, bem como a situação financeira dele, antes de fazer uma prescrição.

 

Exemplo de Forma Química X Biodisponibilidade

Os estudos atuais já apresentam resultados para as formas químicas e suas biodisponibilidades. Os nutrientes mais estudados em relação à biodisponibilidade foram as proteínas (aminoácidos) e em seguida os minerais e as vitaminas.

Vou usar o exemplo do ferro, confere a tabela abaixo.

Forma química de suplementos minerais prontos

Esta tabela faz parte de um material complementar da Formação em Como Prescrever Formulações Manipuladas.

Além de saber a biodisponibilidade das formas químicas de todos as vitaminas e minerais, esse guia conduz uma avaliação das deficiências nutricionais de acordo com os exames bioquímicos, sinais e sintomas e ainda traz quais interações são positivas e negativas na prescrição.

Se quiser o acesso a esse e outros vários materiais e além de tudo ter 100% de segurança na prescrição de formulações manipuladas, eu sugiro a inscrição na minha formação. 

Eu vou te esperar lá.

 

Referência: 

COZZOLINO, Silvia M. Franciscato. Biodisponibilidade de nutrientes. Editora Manole, 2005.

PUJOL, Ana P. Manual de formulações para prática clínica. v.2, Editora do autor, 2020.

Artigos relacionados