prescrição

Nutrição Esportiva: O segredo de uma prescrição de sucesso.

Uma Área em Ascensão…

A nutrição esportiva é uma área que vem cada vez mais se destacando no Brasil. A procura por atividade física segue em constante crescimento, isso frente a maior preocupação e consciência da população sobre os seus benefícios. Segundo o IBGE, no ano de 2015, 37,9% das pessoas com idades maiores de 15 anos, eram praticantes de algum tipo de esporte ou atividade física, representando 61,3 milhões brasileiros.

prescrição

Já é de domínio que a alimentação fornece ao organismo o suprimento das suas necessidades energéticas e em contrapartida as mesmas podem se tornar aumentadas quando há a prática de atividade física. Isso estabelece entre essas duas áreas uma interligação importante, uma vez que seu complemento, quando feito de forma adequada, promove uma melhora do desempenho físico bem como o reparo dos tecidos envolvidos.

Nutrição Esportiva é só para Atletas?

É muito difundido que os nutricionistas desse segmento, não fazem atendimento somente para o público de atletas (pessoas com nível profissional que atingem altas performances de desempenho, tendo como foco a competição), mas também em sua grande maioria, os esportistas (pessoas que realizam alguma atividade esportiva, como corrida, musculação, natação, esportes coletivos, sem caráter profissional) e simpatizantes (pessoas que praticam esporadicamente alguma prática esportiva).

Prescrição Nutricional é com Nutricionista!

Uma pesquisa realizada em uma academia de musculação, avaliou o consumo alimentar e o uso de suplementação dos seus participantes. Foi constatado que 50% deles faziam uso de algum tipo de suplemento e seguiam orientação de alimentação por iniciativa própria.

Um dado semelhante foi encontrado em um estudo feito com praticantes de musculação também de academia, onde somente 25% dos estudados seguiam orientações repassadas por nutricionistas.

Bases de uma Prescrição Eficaz

Alimentação pré e pós-treino, uso ou não de suplementos, cálculo de dietas ou distribuição de macronutrientes, são algumas das dúvidas que o nutricionista dessa área enfrenta, visto que as diretrizes dessas colocações estão em constante atualizações.

Todavia o que muito ocorre é uma falha na interpretação desses fatores, pois de fato nenhum deles, se considerados de forma isolada, fazem com que uma prescrição se torne eficaz.

O entendimento da rotina do indivíduo com suas particularidades, intensidade e regularidade da prática física, comportamento metabólico, bem como sua vida pregressa, trazem uma visão holística de como deve ser a direção da conduta em conjunto com o objetivo. Esse delineamento deve ser feito antes mesmo do planejamento dietético. Isso não quer dizer que o cálculo deixa de ser importante, mas sim, que essa compreensão forma a base da prescrição eficiente.

Importante ressaltar também, que superestimar dados pode ser uma falha no sucesso do planejamento.

Por exemplo, o tempo em atividade. É normal o paciente considerar o período que foi dedicado e não o que de fato realiza, considerando pausas (idas ao banheiro, montar e desmontar equipamento, tomar água). Isso torna com que uma prática de exercícios de 60 minutos decaia para 35 minutos. São 25 minutos estimados a mais no planejamento, o que aparenta ser pouco, entretanto em um longo prazo e também considerando as concessões que o paciente tenha por conta própria, tem o potencial de diminuir a eficácia planejamento.

O Sucesso da Prescrição

Em suma, não resta dúvida que o resultado positivo da conduta nutricional esportiva, deve-se a uma prescrição segura do nutricionista e comprometimento do paciente, tal como a abrangência das suas particularidades e individualidades, o que em conjunto com a prática clínica compõe a base eficaz do sucesso do tratamento.

Referências

BARROS, A.J. et al. Conhecimentos acerca da alimentação saudável e consumo de suplementos alimentares por praticantes de atividade física em academias. Rev Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. v. 11. n. 63. p.301-311. Maio/jun. 2017.

GOMES. R.M. et al. Conhecimento nutricional de praticantes de treinamento de força. Rev. Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo. v. 11. n. 65. p.610-617. Set./out. 2017.

CARDOSO, R.P.Q. et al. Consumo de suplementos alimentares dos praticantes de atividade física em academias. Rev. Brasileira de Nutrição Esportiva São Paulo. v. 11. n. 65. p.584-592. Set./out. 2017

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa nacional por amostra em domicílios, prática de esporte e atividade física. Rio de Janeiro, 2017. ISBN 978-85-240-4414-4.

 

Artigos relacionados

Respostas