Proteína animal x Proteína vegetal

Proteína animal x Proteína vegetal

Diferenças: Proteína animal x Proteína Vegetal

As proteínas são consideradas um macronutrientes importantes para o ser humano. É o material de construção que consiste a estrutura básica do nosso corpo, possuem papel importantíssimo de construção e manutenção dos tecidos, atuam como enzimas, ajudam na coagulação do sangue, no sistema imunológico, na construção e reparo do DNA, além de realizar muitas outras funções. O interesse no potencial de utilização das proteínas a partir de fontes de biomassa subutilizado tais como farinhas e leguminosas, tem aumentado nos últimos anos. Porém sempre fica a discussão entre Proteína animal x Proteína vegetal. Qual a melhor opção? Para que cada uma é indicada?

Os valores nutricionais de proteínas diferem substancialmente, dependendo de sua composição de aminoácidos e digestibilidade. Com efeito, o valor nutritivo ou de qualidade de proteínas estruturalmente diferentes é variável e é regulada pela composição de aminoácidos, proporção de aminoácidos essenciais, a susceptibilidade à hidrólise durante a digestão, pureza e efeitos de processamento, tais como o tratamento térmico.

No entanto, existe uma necessidade crescente para substituir proteínas animais com proteína vegetal. Principalmente, por causa do aumento do custo e fornecimento limitado de proteínas de origem animal. Uma vez que o farelo de arroz é uma fonte de proteína nutricional econômico e está disponível em grandes quantidades, os seus isolados de proteína podia ser usado como novas fontes de proteína de valor nutricional e econômico.

Proteína animal x Proteína vegetal: o que os estudos apontam?

Em um estudo comparando a proteína de arroz (RBP) com a proteína animal e mostrou que a qualidade nutricional da RBP foi superior em comparação com outras proteínas de origem vegetal. Porém a disponibilidade biológica de RBP é ainda mais baixa do que a de fontes de proteína animal. Mostrou também que a digestibilidade verdadeira de RBP (94,8%) foi significativamente mais elevada do que a da proteína do endosperma do arroz (REP) (90,8%), proteína de soja (ISP) (91,7%) e Whey Protein (WPI) (92,8%) e a mesma que a da caseína. Pontuação de aminoácidos corrigida e digestibilidade da proteína (PDCAAS) da RBP foi de 0,90. Estes resultados sugerem que a proteína do farelo de arroz parece ser uma fonte de proteína promissora com bons valores biológicos.

Um estudo publicado no Journal of the International Society of Sports Nutrition (2015) demonstrou que a suplementação de proteína pode exacerbar possíveis adaptações induzidas pelo treinamento de resistência. O consumo de proteína de ervilha promove ganhos de espessura bíceps braquial e, especialmente, em iniciantes ou pessoas que regressam ao treinamento com pesos. Esta superioridade estatística em comparação com o placebo e os resultados comparáveis com os obtidos da ingestão de Whey Protein faz da proteína de ervilha uma alternativa aos produtos alimentares à base de soro de leite para atletas de diferentes níveis e esportes. Além disso, tais proteínas também devem ser de uso interessante em outras populações. Como por exemplo, idosos, para retardar o processo de envelhecimento e manter a massa muscular.

Efeitos temporais significativas foram observados

Em outro estudo publicado no Nutrition Journal de 2013, analisaram 24 indivíduos, do sexo masculino, treinados em resistência, em idade universitária. Foram aleatoriamente divididos igualmente em dois grupos, que consumiram 48 g de arroz ou de proteína de soro isolado (isocalóricas e isonitrogenadas) em dias de treino, durante 8 semanas. Os resultados obtidos foram que não houve diferenças detectáveis presentes na pontuação psicométricas da percepção de recuperação, dor, ou a prontidão para treinar (p> 0,05).

Efeitos temporais significativas foram observados com o aumento da massa magra, massa muscular, força e poder e redução de massa gorda diminuiu; No entanto, nenhuma condição por interações do tempo foi observada (p> 0,05). Os resultados sugerem então que ambas as proteínas, soro de leite e proteína de arroz isoladas, administradas após exercício de resistência melhoraram os índices de composição corporal e desempenho do exercício; No entanto, não houve diferença entre os dois grupos de protéinas.

Emissão de registro de produtos de origem animal será automática ...

Mariane Meurer

NUTRICIONISTA – CRN 10.5317

Gabriela Dors Wilke Rocha

NUTRICIONISTA – CRN 10.4719

Outros Posts Semelhantes:

Excesso de Informação

 

Artigos relacionados

Overtraining

Afinal, o que é Overtraining? Síndrome de overtraining (OVT) foi descrita como fadiga crônica e cansaço, onde ocorre um desequilíbrio entre a treino/competição, contra a recuperação. Treinar…